A complexidade de Joanna Newsom: “Have One On Me”

Como se define um artista do naipe de Joanna Newsom? Seu último lançamento, “Have One On Me”, foi em maio, mas só agora tenho preparo e convicção para escrever a respeito de seu trabalho. Primeiramente, o álbum é dividido em três (!) discos, no total de duas horas de música. Mas o que mais fascina é a coesão com ela trabalha. As canções estão interligadas. O modo com que ela insere seus lindos poemas nas melodias mais lindas que já ouvi são dignas de aplauso. Ela constrói e descontrói sons. É colossal, gigantesco e é definitivamente sua “magnum opus”. Um dos melhores álbuns do ano.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s