BBBs, livros e o nada (absolutamente nada)

Uma das melhores coisas que podem acontecer com que decide escrever sobre qualquer coisa é, uma hora ou outra, deparar-se com fatos que colocam à prova tudo o que foi estudado até o presente momento. Como quando alguém decide, do nada, escrever sobre cultura popular e, também do nada, o momento nunca foi tão propício para a discussão incitada por, digamos, um tal post de um tal blog.

Nós vivemos numa era em que tudo (a vida incluída aí) não passa de um stream, um fluxo de informações e de imagens que, a qualquer momento, podem significar tudo e nada instantaneamente, o que, por si só, podem somente significar que o meu tal post de um tal blog pode não significar a mesma coisa que o seu tal post de um tal blog que eu mencionei anteriormente, no início do meu post.

Mantenha isto na cabeça enquanto lê tudo.

Grande parte do meu stream na última semana foi no Facebook, aquele feed de notícias meticulosamente calculado para que eu tenha informações acerca do que algum grande anunciante quer que eu compre (antes mesmo de que eu queira comprar, diga-se de passagem). A discussão inútil, antes mesmo que eu pudesse me prevenir, atingiu aquele fluxo de cultura inútil sem avisar. Uma guerra fictícia entre os guardiões da cultura e os ignorantes voluntários tinha começado e eu não sabia como eu iria fazer para me proteger da chamada “retórica da pobreza” (boa chamada, @notaspradiscos).

Diria que eu ainda não tenho algo realmente formado a respeito disso tudo, mas parece que há algum tempo a polícia do bom gosto teve a brilhante ideia de patrulhar ao que as pessoas assistem na TV e catalogar de forma dualista e simplista entre “bom” e “ruim”. Do outro lado, a catalogação surtiu efeito e deixou muita gente inquieta, formando a reação (e quantos reacionários…) perfeita: a negação transformada em argumento concreto. Somente porque as pessoas assistem a um programa de gosto duvidoso não as torna especiais ou transforma a cultura popular. Além disto: o direito de assistir a um programa de televisão de gosto duvidoso nunca foi questionado, mas algumas pessoas histéricas encontraram uma maneira de fazer soar assim.

Assim sendo, temos uma guerra inútil vinda de uma cultura inútil. Assim seja.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s