Colagem

Depois de tanto tempo, é possível conceber a ideia de que já existe algo de muito comum que rondeia a música do Beach House. Você já sabe o que esperar. O que vai acontecer. O que eles farão da próxima vez.

Antigamente, eu via isso como um sinal de preocupação — com a ideia (estúpida, agora percebo) da existência de algum tipo de diminishing returns. Entretanto, tudo isso que o duo faz é sinal de maturidade. Algo que eu também percebi com o tempo.

“Chariot” não é nada de novo e, justamente por isso, oferece o melhor que esse Beach House já está acostumado a fazer: de tão particular que é, o duo faz da música um lar, uma morada. Algo com que se pode confiar e confidenciar. O clipe é um reflexo disso: uma colagem de momentos familiares que pretendem refletir algo muito maior e mais intimista.

Isso é raro de se ver.

7/11

Beyoncé é dessas popstars que têm fascínio em recriar situações do cotidiano — vide Taylor Swift, porém B tem mais empatia — somente para demonstrar o que a vida doméstica pode ser nas mãos de alguém (mais) criativo. “7/11” é uma realização disto.